Ibope é o instituto número 1 em erros de pesquisa

Qualquer pessoa que tenha acompanhado mais de uma eleição na vida vai dizer para você: "A verdadeira pesquisa é o voto na urna". Esse é o mantra de todo o candidato, até daqueles que estão na frente, nas pesquisas.

O instituto responsável em transformar esse dito popular em verdade é, com toda certeza, o Ibope. Talvez por ele ter feito mais pesquisas, talvez por ele sempre ser contratado pela Globo, RBS, e congênres, que tem interesses que não são, necessariamente o de bem informar.

Os exemplos de "erros" do Ibope, próximos de nós, são inúmeros. Em 1992, 3 dias antes da eleição, as pesquisas mostravam Pepe Vargas em terceiro lugar. Em segundo vinha José Ivo Sartori e em primeiro lugar, bem na frente Mario Vanin. Vanin ganhou as eleições, é verdade, porém Pepe Vargas chegou em segundo a poucos votos de Vanin e Sartori atrás em terceiro.

Em 1996 a disputa, também para prefeitura de Caxias, a pesquisa Ibope na última semana do primeiro turno apontava empate técnico entre Pepe e Rigotto. Na eleição o petista venceu o peemedebista com mais de 4 pontos percentuais.

Porém mais gritante foi a de 1998 para o governo do estado. O candidato, velado, da RBS, Antonio Britto, liderava as pesquisas e, segundo o Ibope, nos ultimos dias, venceria no primeiro turno, fácil, fácil, fácil. Votos contados e Britto não se elege no primeiro turno. No segundo turno ele perderia as eleições para o petista Olívio Dutra.

Em 2000 a situação se inverteu. Pepe Vargas aparecia como favorito para vencer as eleições com facilidade no primeiro turno segundo o mesmo Ibope. Não deu. Pepe disputou um segundo turno acirradíssimo com José Ivo Sartori e venceu as eleições com apenas 824 votos de diferença.

Na eleição seguinte, para governador, as pesquisas mostravam uma polarização entre Tarso Genro (PT) e Antonio Britto (PPS). Isso valeu até o final do primeiro turno. Porém, apesar do crescimento nas pesquisas, nenhuma delas apontou que Germano Rigotto (PMDB) passaria Britto e disputaria o segundo turno com Tarso, sendo eleito governador.

Quatro anos depois a armadilha das pesquisas fez o próprio Rigotto de vitima. A polarização, mostrada pelo Ibope, entre Rigotto e Olívio, desprezou a possibilidade de Yeda Crusius chegar ao segundo turno. Ela chegou e ganhou as eleições.

Nas eleições presidenciais de 2010 o Ibope errou duas vezes. A primeira quando disse que ela não faria nem 15% dos votos. A segunda vez, na véspera do primeiro turno quando afirmou que Dilma venceria com mais de 55% dos votos.

Agora também há várias pesquisas Ibope. Há razão para acreditar nelas cegamente?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados