sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Cortina de fumaça na Assistência Social do Município

A Fundação de Assistência Social - FAS - está implementando uma série de mudanças na política de assistência social de Caxias do Sul. As alterações estão sendo feitas de forma bastante autoritária e furtiva. Ninguém sabe ao certo tudo o que está ocorrendo, pois não há transparência.

Nessa quinta-feira (01/08), uma série de servidores públicos da fundação fez um manifesto em frente à FAS e depois na Prefeitura. Os trabalhadores estão sendo relotados ex officio (têm de mudar seu local de trabalho) sem consulta prévia, além de ter de aceitar as mudanças implementadas sem qualquer consulta a eles que fazem os serviços assistenciais funcionar na cidade.

O mais grave, é que as mudanças foram implantadas sem consulta à população e mesmo agora o povo carece de informações mais precisas.
Panfleto distribuído pelos servidores da FAS

O que se sabe?

  • Que a FAS contratou uma empresa que, inicialmente iria fazer um serviço de diagnóstico sobre a assistência social no município, com fins de otimizar os serviços na cidade. Porém, a consultoria acabou realizando serviços diversos, do que havia sido contratada.
  • O cadastro único, forma pela qual as pessoas se inscrevem nos programas assistenciais do município, antes era descentralizado nos 5 CRAS (Centros de Referência em Assistência Social) da cidade, agora ficou centralizado no centro, dificultando o acesso;
  • Diversos convênios estão sendo fechados, sem qualquer aviso à população que vai ficar desassistidas em diversas áreas;
  • Implantação das "casas lares" e fechamento dos abrigos mantidos por convênios.
A falta de transparência é tanta, que no site da FAS, não há qualquer alusão às mudanças implantadas. Aliás, na capa do site, aparece a formatura dos alunos do Trabalho 10 - convênio que será fechado com a Fundação.

Há muito tempo que alertamos que a assistência social no município não anda bem. Falta planejamento, falta orçamento, falta priorização. Tanto é, que Caxias é uma das poucas cidades que possui em seus programas uma série de pessoas contratadas e não servidores públicos. Assim, não se adequa às normas do SUAS (Sistema Único da Assistência Social) e deixa de receber investimentos do Governo Federal.

Talvez nem todas as mudanças sejam ruins, porém, com diálogo e transparência ficaria bem melhor...

Um comentário:

  1. Bom dia amigos, trabalho na Fas e venho dizer para vcs que as mudanças que aconteceram eram necessárias, o cadastro unico foi descentralizado na outra gestão sem a minima estrutura tanto é que o cadastro unico atendeu mais que o dobro das pessoas que os cras atenderam juntos e a Presidente Marles, sempre determinou que os Cras após a centralização, fornecessem vale-transporte para as pessoas, os abrigos qualquer um com o minimo de consciência sabe que nenhuma criança é educada sem afeto e limite hoje nos abrigos é assim cada educador trata de uma forma as crianças e da um limite para elas, que tipo de adultos teremos, e dai vcs me perguntam porque tanta indignação dos servidores, Simples porque com as mudanças realmente terão que trabalhar pois até agora essa minoria pois a grande maioria está do lado da Presidente, eles a minoria nunca pensaram na população e sim nos interesses próprios posso provar pois das trinta a quarenta pessoas que estavam nessa manifestação no minimo 20 tem as fichas de serviço mais suja que não sei o que, guardem minhas palavras Se a Marlês cair, a unica pessoa que em mais de 8 anos que tentou moralizar a FAS cai...........

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com