sábado, 9 de agosto de 2014

Inflação volta à meta sem sacrifício do emprego


Mais uma vez os "urubólogos" erraram. A inflação volta a meta. O IPCA caiu pelo segundo mês consecutivo e deve manter-se assim pelo resto do ano. Quem apostou no caos, perdeu novamente. O país só não está melhor porque interesses eleitoreiros fizeram criar uma falsa ideia de crise e promoveram demissões .

Fonte: Brasil 247

Alvo central da totalidade dos críticos da política econômica – do ex-ministro que deixou o cargo com mais de 80% de carestia ao ex-presidente do BC que jogou no mercado cerca de US$ 50 bilhões em reservas para segurar o câmbio, passando por jornalistas não especializados, donos de fortes currículos acadêmicos e até consultores de bases empíricas – a inflação está entrando na categoria de assunto do passado.

Divulgado nesta sexta-feira 8, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mostrou variação de 0,01% sobre junho, quando também havia subido abaixo das expectativas, em 0,40%. O indicador confirmou o que todas as projeções do mercado já indicavam: ao contrário das previsões em cascata sobre descontrole e disparada, feitas nos últimos meses, a taxa inflacionário fechará o ano dentro da meta de 6,5%, mais para o centro do que para a banda de cima. A explicação a baixa taxa de julho está na queda dos preços dos alimentos e das passagens aéreas.

Nas apresentações dos executivos do BC ao mercado, a expressão "inflação resistente" já foi abolida dos slides. Isso significa que a autoridade monetária está segura do prosseguimento da estabilidade nos preços. O mercado já está convencido, por outro lado, de que não haverá mais aumentos de juros até o final do ano.

Essa realidade esvazia as conclusões e prejudica os argumentos de inúmeros comentaristas da cena econômica, que apostavam em nada menos que no descontrole e o caos.

Pelo Itaú Unibanco, que acaba de reportar lucro de R$ 4,2 bilhões no 2º trimestre e redução da inadimplência ns contratos de crédito, o economista-chefe Ilan Goldfjan chegou a pedir e insistir, mais de uma vez, na adoção de um plano de desemprego como única forma de domar dragão. Formou ao lado dele nessa espécie de cruzada cívica ao contrário, o também ex-diretor do BC Alexandre Schwartsman. Ex-economista chefe dos bancos ABN-Amro e Santander, ele atualmente ocupa o cargo de colunista do jornal Folha de S. Paulo.

A atividade da economia, é certo, esfriou nos últimos meses, com redução na criação de novas vagas de trabalho, mas ainda com saldo positivo. E não foi preciso chegar aos níveis da recessão para controlar a inflação. Com o instrumento, basicamente, de elevações na taxa Selic, o BC está provando que vai sendo possível manter a taxa na meta sem provocar a crise social resultante de um reivindicado desemprego. Agora, segundo indicam alguns dos principais executivos da autoridade econômica, poderá ocorrer, paulatinamente, uma apreciação do câmbio – outra reivindicação dos críticos –, com o objetivo de dinamizar o setor exportador. Isso sem deixar com que, nas contas do governo, a inflação volte a ser um problema de graves proporções.

As previsões oficiais são de crescimento do PIB de pouco mais de 1% este ano. Este parece ser o preço a pagar pelo controle da taxa, o que foi, repita-se, solicitado com ênfase pelos comentaristas da cena pelo campo da oposição. O bom resultado está sendo confirmado a cada dia. Há, é claro, quem não enxergue nisso nenhuma vitória. Em informe a investidores, o fundador da consultoria Empiricus – que deixou o anonimato ao ser proibida, na semana passada, de divulgar análises consideradas partidarizadas pelo Banco Central -, Felipe Miranda, saiu-se com a tese da "inflação escondida", que aumentaria em até 2% os índices apurados por fontes confiáveis.

Miranda é mais um que ficou falando sozinho, atropelado pela realidade. Como mostra a montagem de imagens da manchete de 247, quem está acertando, de fato, quanto a inflação, é a trinca formada pela presidente Dilma Rousseff, o ministro Guido Mantega e o presidente do Banco Central, Alexadre Tombini. No lado esquerdo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com