quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Delação BBB de Paulo Roberto da Costa vira circo midiático


Premiada e gravada na íntegra, delação de ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto da Costa vira espetáculo midiático. A gravação dentro de gabinete do juiz Sergio Moro transborda por todos os cantos. Esse tipo de vazamento indica, claramente, que houve premeditação entre o dia do depoimento, a possibilidade dela ser gravada e o período eleitoral.

O juiz federal Sergio Moro é um mais experientes do país. Mesmo assim teve o depoimento que tomou do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, em seu gabinete, na Justiça Federal de Curitiba, no Paraná, inteiramente gravado por uma microcâmera. Um vídeo com a imagem parada no teto, mas com áudio perfeito, vazou em duas versão: íntegra e editado, com as mais fortes declarações feitas por Costa sob a proteção do regime de delação premiada. Soube-se, com a divulgação, que ela também é gravada e publicada.

Segundo Costa, o PT recebia 2% sobre contratos correntes na Petrobras, como forma de alimentar as finanças do partido. O PP e o PMDB também faziam jus a percentuais sobre operações superfaturadas. Enquanto a oposição comemora as denúncias, o PT, em nota, afirmou que as acusações são "caluniosas".

A delação premiada só tem sentido se ela for sigilosa até o início dos indiciamentos. Por que? Para que os novos envolvidos pelo denunciado não sumam com evidências, ou eles mesmos não sumam. Ao possibilitar que todo o depoimento fosse gravado, além de jogar por terra toda a possibilidade de novas investigações o juiz Sergio Moro deixa entrar no jogo eleitoral elementos obscuros onde a única veracidade é a confissão de um criminoso.

Ex-diretor da Petrobras detalha esquema de propinas a PT, PP e PMDB em contratos


(Reuters) - O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou que grandes empresas fecharam contratos com a estatal por anos com sobrepreço médio de 3 por cento, e que a maior parte do dinheiro foi repassada para PT, PP e PMDB.

Costa disse em depoimento na quarta-feira à Justiça Federal, sob acordo delação premiada, que cerca de 10 "grandes empresas" realizavam um processo de "cartelização" nos acordos de fornecimento à Petrobras.

Segundo ele, em média 3 por cento do valor do contrato era repassado para partidos políticos que comandavam determinadas diretorias da estatal.

"Em relação à diretoria de Serviços, todos sabiam que tinha um percentual dos contratos da área de Abastecimento: dos 3 por cento, 2 por cento eram para atender ao PT", disse o ex-diretor da Petrobras, segundo áudio do depoimento disponível na Internet.

"Outras diretorias, como Gás e Energia e Exploração e Produção, também eram PT", acrescentou Costa, que dirigiu a área de Abastecimento da Petrobras de 2004 a 2012.

Costa declarou que, no caso da diretoria que ocupou, a indicação era do PP e, como os processos de licitação na Petrobras têm de passar pela diretoria de Serviços, os recursos eram repassados ao PP e PT.

"Me foi colocado pelas empresas e também pelo partido (PP) que dessa média de 3 por cento o que fosse diretoria de Abastecimento, 1 por cento seria repassado para o PP e os 2 por cento restantes ficariam para o PT dentro da diretoria (de Serviços)", disse.

"Do 1 por cento que era do PP, em média... 60 por cento ia para o partido, 20 por cento era para despesas... e os 20 por cento restantes eram repassados 70 por cento para mim e 30 por cento para o (ex-deputado federal do PP José ) Janene ou o (doleiro) Alberto Yousseff", acrescentou

O ex-diretor disse que Janene, que faleceu em 2010, "conduzia diretamente" a parcela dos recursos que cabia ao PP até meados de 2008, quando o deputado adoeceu e a função que passou a ser exercida por Yousseff, preso na mesma operação em que Costa foi detido, a Lava-Jato.

Costa afirmou ainda que o operador do PT no esquema era o tesoureiro da legenda João Vaccari.

Em nota, o PT disse que repudia com "veemência e indignação as declarações caluniosas" de Costa e alegou que todas as doações para o partido seguem a lei e são registradas na Justiça Eleitoral.

"O PT desmente a totalidade das ilações de que o partido teria recebido repasses financeiros originados de contratos com a Petrobras", diz a nota.

Em outra nota, a Secretaria Nacional de Finanças do PT afirmou que Vaccari nunca tratou de contribuições financeiras com Costa e que ele tem dado informaçõesw "distorcidas e mentirosas" à Justiça.

"Essas acusações, difundidas insistentemente por meio de notícias na imprensa, sem possibilidade de acesso de nossos advogados aos depoimentos, impedem o direito ao exercício constitucional da ampla defesa", diz a nota. "O secretário de Finanças vai processar civil e criminalmente aqueles que têm investido contra sua honra e reputação."

A assessoria de imprensa do PP afirmou em nota que "o Partido Progressista desconhece as denúncias, mas está à disposição para colaborar com todas as investigações".

Procurado, o PMDB informou que não comentará o caso.


Sobre o PMDB, o ex-diretor da Petrobras afirmou que a diretoria Internacional da Petrobras era comandada pelo partido e repassava recursos do esquema à sigla. Segundo Costa, o operador peemedebista era Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano.

No depoimento, Costa disse ainda ter conhecimento de que a Transpetro, subsidiária da Petrobras, também tinha um esquema de repasse de recursos a políticos.

O presidente da Transpetro, Sergio Machado, negou as afirmações do ex-diretor, alegando que são "mentirosas e absurdas". Por meio de nota, Machado ressaltou seu estranhamento com o fato de as declarações serem divulgadas "em pleno processo eleitoral".

No final da tarde, a Petrobras divulgou uma nota sobre as matérias divulgadas sobre os depoimentos de Costa e Youssef, afirmando que "vem acompanhando as investigações e colaborando efetivamente com os trabalhos das autoridades".

"A Petrobras reforça, ainda, que está sendo oficialmente reconhecida por tais autoridades como vítima nesse processo de apuração. Por fim, a Petrobras reitera enfaticamente que manterá seu empenho em continuar colaborando com as autoridades para a elucidação dos fatos."

Mais cedo, havia sido divulgada uma nota assinada pelo diretor de Serviços, José Eduardo Dutra, repudiando a vinculação de seu nome às irregularidades e afirmando que seu nome foi citado somente uma vez por Costa em seu depoimento e sem relação com as denúncias.

No áudio, Costa cita o nome de Dutra ao afirmar que quando tornou-se diretor de Abastecimento em 2004 era Dutra quem presidia a Petrobras.

Costa não citou nomes de políticos que têm prerrogativa de foro, já que essas pessoas têm de ser julgadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e o depoimento foi dado à Justiça Federal do Paraná.

Vazamentos de depoimentos de Costa à Polícia Federal ocorreram em setembro, tornando as denúncias de corrupção na Petrobras um dos temas centrais na campanha eleitoral para a Presidência, que agora está em um segundo turno entre Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e Aécio Neves (PSDB).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com