sábado, 7 de março de 2015

Todas as mentiras que você ouviu, pela imprensa, sobre a Lava Jato

Saiu a lista dos políticos envolvidos na Lava Jato! (veja aqui) Para surpresa de qualquer pessoa com honestidade intelectual o partido que mais desvio dinheiro da Petrobrás foi o PP! 85% dos envolvidos são do Partido Progressista. Metade de sua bancada na Câmara e 3 dos 5 senadores.

Resolvemos fazer um pequeno apanhando de tudo que foi divulgado, errado, pela imprensa desde o início da operação em 17 de março de 2014. 355 dias se passaram e temos que festejar um dado importante. A Polícia Federal, Ministério Público e o Poder Judiciário conduziram de forma muito rápida as investigações. Excetuando os vazamentos seletivos tudo foi investigado, sem que nada fosse empurrado para debaixo do tapete como em outras épocas.

A Lava Jato era um esquema de financiamento de campanhas? Não. O dinheiro das empreiteiras até entra, e muito, nas campanhas, mas não na troca de obras. As empreeiteiras doam para todos os partidos então não há como dizer que existe um favorecimento para quem está no poder.

Então o que era o esquema? Segundo o Ministério Público Federal, um grupo de diretores da companhia, aliados a executivos da empresa, combinavam com empreiteiras para que uma parte do valor das obras ficasse no esquema. O dinheiro então era repassado para aliados dos operadores do esquema.

O esquema beneficiava a base do governo federal? Não. Irrigava os apoios políticos do partido do diretor. Na lista da Lava Jato a maior parte dos envolvidos se declarava oposição ao governo federal. Todos os 6 envolvidos no Rio Grande do Sul fizeram campanha para o Aécio, para o Alckmin, para o Serra, para o Sartori, para Yeda. Não seria lógico um governo financiar sua oposição.

Existia uma comissão para cada obra? Se existia ela podia ser um referencial mas não era o significativo no esquema. Os parlamentares não recebiam por obra. A maioria recebia por mês. No esquema do PP haviam dois grupos. Os mais influentes recebiam de R$ 200 mil a R$ 300 mil por mês. Os menos influentes entre R$ 30 mil e R$ 150 mil.

Houve uso político das investigações? Houve de balaiada. As revistas semanais foram muito criativas em criar listas de envolvidos, para dizer o mínimo. Entre os citados como beneficiários do esquema e que não apareceram na lista final do Ministério Público Federal estão: Sérgio Cabral, João Vaccari Neto, Henrique Eduardo Alves, Delcídio Amaral, Francisco Dorneles. Todos os nomes lançados, as vésperas das eleições resultavam, obviamente em prejuízos para o citado.

Lula e Dilma sabiam? Talvez a capa de revista mais criminosa da história do Brasil foi feita pela Veja 2 dias antes das eleições. Nela a revista afirmava que Yousseff havia declarado no depoimento que Lula e Dilma sabiam do esquema. Nenhum dos dois é sequer citados nos inquéritos encaminhados ao STF. Lula nem aparece. Sobre Dilma o Ministro Teori Zavascki afirma que "não há nada a arquivar em relação a presidenta da República" ou seja, não havia nem indícios contra ela.

Caso Venina Veloso. Ex diretora da Petrobras. Venina Veloso esteve no Fantástico e até chorou em cadeia nacional, ao dizer que há quatro anos estava denunciando, a direção da companhia, o esquema de corrupção na empresa. Ouvida tanto pela Justiça Federal, quanto pelo Ministério Público Federal, seus depoimentos foram considerados irrelevantes. Depois de 15 minutos de fama, a mídia esqueceu totalmente dela.

Um comentário:

  1. vai todo mundo ficar quieto aí? oras oras - gostaram da mentirada?

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com