Costella virou osso duro de roer para Sartori

Paulão disse que não concordava com postura de Juvir Costella
Em quase 100 dias de governo o secretário estadual de Turismo, Esporte e Lazer, Juvir Costella (PMDB) não produziu praticamente nada de políticas para o setor, mas se envolveu em bastante confusão.

A última gerou o pedido de demissão do ex-jogador de vôlei, Paulão, que ocupava a diretoria de esportes de secretaria. E ele saiu atirando. Em entrevista à Rádio Gaúcha afirmou que discordava da postura autoritária do secretário em relação aos funcionários que fazia questão de ressaltar, segundo o ex-atleta, que “eu mando, eu dou ordem, eu contrato”.

Paulão, que foi gerente do Comitê Organizador da Copa do Mundo em Porto Alegre, afirmou que sua decisão é irrevogável e que "gosta de trabalhar em equipe", algo que estava sendo impossível com o atual secretário. 

Em nota Juvir diz que "os funcionários tem liberdade de trabalhar desde que cumpram horário" numa afirmação direta ao fato de Paulão ter uma agenda de palestra alheias ao trabalho da secretária. Paulão, por sua vez, afirma que nesses três meses praticamente não deu nenhuma palestra e que o fato havia sido exposto e combinado anteriormente. 

Em outras duas situações Juvir causou indisposição para o governo e para os colegas de trabalho. No começo de março, em tom de brincadeira, ele disse que a Secretaria deveria reservar um quarto com cama de casal no hotel para o Paulão e a secretária-adjunta da pasta, Gabriela Markus (PMDB) - que é ex-miss Brasil - durante uma agenda da dupla no interior do Estado. Os dois não teriam gostado da brincadeira e há especulações que Gabriela também poderia deixar a pasta, descontente com a postura de Costella.

No começo do ano o secretário causou uma saia justa, no dia de sua indicação, dizendo que não entendia nada de Turismo e de Esportes. Para completar. Juvir é suspeito de envolvimento de fraudes em licitações e formação da quadrilha. 

Apesar dos constantes problemas que o secretário está gerando a possibilidade dele ser demitido é perto de zero. Se o governador Sartori o demitir ele voltará a ser deputado estadual retirando o mandado de Ibsen Pinheiro (PMDB). Sartori fez muita engenharia política para garantir o mandato de Ibsen. Então é bastante provável que Juvir continue aprontando das suas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados