quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Líder do PMDB na Assembleia chama funcionários públicos de vadios

Em um arroubo de sinceridade o deputado Álvaro Boessio (PMDB), líder do partido na Assembleia, disparou críticas ao funcionalismo público, não só estadual, mas a nível geral. Em uma entrevista para a Rádio Spaço FM, de Farroupilha, Boésio disparou: "Hoje, tem alguns funcionário públicos, não todos, uma boa parte, e falo isso porque trabalho na Assembleia, que são vadios, não correspondem. Depois que passaram no concurso, que estão lá há tempos, querem mandar mais do que os deputados. É assim no governo, deve ser nas prefeituras, por tudo. Não todos, mas uma boa parcela dessas pessoas". 
 
Mas não foi só isso, Boessio ainda disparou contra os professores. Ele criticou o número de professores em licença-prêmio, que é um afastamento remunerado de três meses a cada 5 anos trabalhados. 
 
Boessio participava de um debate e falava sobre a crise financeira do estado, o parcelamento dos salários dos servidores e a greve que iria começar na segunda feira. 
 
Depois da imensa repercussão negativa, Boessio tentou se justificar dizendo que a frase "foi retirada de contexto" e diz que o comentário é infeliz. Mas as pessoas não o desculparam. Na sua postagem do Facebook tem mais de mil comentários sendo que a maioria critica a posição do deputado. 
 
O deputado que é tão bom em criticar o "nível de trabalho dos servidores públicos" se cala quando o assunto é a sua assessora que não trabalha. Em junho o Polenta News publicou uma matéria (veja aqui) que denunciava que Milena Darsie Baldasso, assessora do gabinete de Boessio, recebia sem trabalhar.  Milena teria sido nomeada no lugar de seu pai, e, ao invés de trabalhar se ocupava em tarefas como fazer trabalhos de faculdade ou ficar dormindo até tarde.
 
É um chavão mas não tem como não dizer que Boessio leva as coisas com dois pesos e duas medidas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com