sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Estudantes colocam governador tucano de São Paulo de joelhos


Os jovens estudantes secundaristas de São Paulo colocaram o todo poderoso governador tucano Geraldo Alckmin de joelhos. De uma tacada só enterrar o desastroso plano de "reorganização" educacional, derrubaram o secretário de educação, Herman Voolwald e fizeram os índices de popularidade de Alckmin despencar para menos de 30% de aprovação.

Desde o dia 9 de novembro os estudantes paulistas começaram a ocupar escolas. O quadro hoje é de mais de 200 unidades ocupadas. O movimento surgiu fruto de uma proposta do governo tucano de "reorganização educacional". A proposta previa que os estudantes fossem separados por ciclos (1º a 4º ano, 5º a 9º ano e ensino médio). As escolas teriam só um ciclo de alunos. Além disso seriam fechadas 93 escolas por todo o estado já em 2016.

A proposta desagradou a comunidade escolar pois, além dela não ter sido discutida com ninguém, a divisão por ciclos separaria irmãos, as vezes em colégios distantes, dificultando a vida dos pais.

O governo tucano tentou de tudo para destruir o movimento. Infiltrou policiais a paisana para depredar escolas, atacou os manifestantes no meio da noite, mobilizou "falsos pais" para fazerem protestos na frente das escolas e disparou bala de borracha e gás lacrimogênio nas manifestações.

Nada disso diminuiu o ânimo dos estudantes. Na manhã de hoje (04) o governador Alckmin anunciou que a "reorganização" está suspensa e que será discutida no ano que vem. Os estudantes acham que isso é só manobra e prometem manter as ocupações até que a medida seja totalmente enterrada.

Contrariado o secretário de educação pediu demissão logo em seguida.

O movimento dos estudantes sai muito mais forte do que era quando entrou na luta. Isso é muito importante principalmente no estado que é o carro chefe do conservadorismo hoje no país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com