sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mais um caso de favorecimento privado na Prefeitura de Caxias do Sul

Parece que a política do favorecimento impregnou profundamente nos corredores da Prefeitura de Caxias do Sul. Em julho houve uma denuncia que a presidente da FAS, Maria de Lurdes Grison, contratava a empresa de informática do filho para prestar serviços à fundação. (veja aqui). Tiveram que chamar o Frei Jaime Betega para tentar salvar o pescoço de Gison e justificar o mal uso do dinheiro público. Para evitar maiores polêmicas ela foi passar férias no Caribe. E não se falou mais disso.

Agora, a bola da vez, é a Secretária de Obras e Serviços Públicos, Celso Empinotti, homem de confiança do prefeito Sartori. Segundo a denúncia feita pela vereadora Denise Pessoa (PT) e publicada na edição de hoje do Pioneiro, a ex-servidora e hoje Cargo de Confiança, CC, da prefeitura, Marta Elena Todero Sartor, estaria contratando a empresa, que é propriedade de seu marido, de seu pai e irmão, para a prestação de serviços à prefeitura.

A Todero Comércio de Materiais e Equipamentos Ltda, recebeu por serviços prestados, a maioria por dispensa de licitação, quase R$ 1 milhão desde 2009. O que causa estranheza, segundo a vereadora, é que a maior parte dos contratos ficaram abaixo de R$ 8.000,00, que é o limite para a dispensa de licitação.

Consultamos também o Portal Transparência da Prefeitura de Caxias do Sul e localizamos, nesse ano, 54 pagamentos para essa empresa, num total de R$ 140.913,61, apenas na Secretaria de Obras. (veja telas abaixo). O que causa-nos estranheza foi a existência de dezenas de pagamentos, no mesmo dia, 9 de setembro, por serviços prestados ou venda de mercadorias, para todas as subprefeituras. Outro detalhe é que todos os pagamentos são de baixo valor, ou seja, todos feitos com dispensa de licitação.

(clique na imagem para ampliar)

(clique na imagem para ampliar)

(clique na imagem para ampliar)

Mesmo que não haja nenhuma irregularidade (meio difícil, mas vá lá), a compra de insumos não poderia ser feito em conjunto? Com isso não seria possível conseguir valores melhores? O Pregão Eletrônico não tem essa finalidade?

Provavelmente o governo Sartori venha com a justificativa que os gastos teriam que ser feitos, etc, etc. Até podemos aceitar que os gastos sejam necessários, mas não dava para fazer certo? tem que contratar a empresa do pai, marido e irmão da CC?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com