quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Casa cheia para lançamento da Privataria Tucana

Amaury Ribeiro Jr foi recebido por um auditório lotado na tarde dessa quarta-feira, em Porto Alegre. O jornalista esteve no Sindibancários para lançar seu “A Privataria Tucana”, livro mais vendido no Brasil há diversas semanas.

Acompanhado do deputado Protógenes Queiroz, Amaury concedeu uma entrevista coletiva à imprensa antes do debate. Aos jornalistas, o autor revelou que já prepara um segundo livro sobre o mesmo tema: “Vamos falar de outros casos tenebrosos, como Furnas, Cemig e outras empresas de energia. É preciso deixar claro que o pessoal dos anos 90 segue agindo até hoje. Por isso a CPI é tão importante”.

Protógenes, que quando delegado foi responsável pela operação Satiagraha e pela prisão de Daniel Dantas, corroborou a opinião de Amaury: “O livro caiu como uma bomba na Câmara Federal. Para mim, abrir uma discussão sobre qualquer assunto é melhor do que fical imóvel”, disse Protógenes, que luta pela instalação da CPI da Privataria na Câmara”.

Perguntado se o livro deixava claro a origem do dinheiro que enriqueceu ilegalmente seus personagens, Amaury foi enfático: “Está claríssimo. Os beneficiados pelas privatizações dirigidas pagaram as propinas para os mediadores que os ajudaram a vencer os leilões”. Protógenes concordou e adicionou: “Foi instalado um modelo de administração pública muitas vezes criminoso e que se mantém até hoje. O livro do Amaury fala sobre fatos dos anos 90 e em 2008 eu me deparei com os mesmos operadores do mesmo esquema, tanto na área pública quanto na privada.”. O parlamentar complementou com um exemplo: “Acabaram de desabrigar 9 mil pessoas no Pinheirinho, em São José dos Campos, para beneficiar o mesmo Naji Nahas, de tantas outras denúncias e relações suspeitas com os que hoje governam São Paulo”.

Fonte: Comunicação Fórum Social Temático

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com