segunda-feira, 26 de março de 2012

Crise interna no PT está fortalecendo candidatura de situação

O que era para ser uma celebração, a indicação de um ministro caxiense, tornou-se uma dor de cabeça para o PT local. Com a saída de Pepe Vargas da disputa eleitoral uma costura que unia, ao que parece, um frágil consenso ruiu!

Havendo inicialmente três pré candidatos a prefeito, Pepe Vargas, Marisa Formolo e Marcos Daneluz, era natural que com a saída de Pepe a discussão recaísse sobre os outros dois nomes. Porém uma demora tática e, a olhos vistos, uma inabilidade da direção partidária em discutir a questão acirrou os ânimos ao ponto de haver reclamações públicas na imprensa caxiense.

Marcos Daneluz sentiu que não estaria sendo ouvido o suficiente e reclamou da situação aos quatro ventos. O efeito foi tão devastador que, além de não resolver o problema, criaram outros, como a necessidade de fazer reuniões da executiva e de um chamado “grupo enxuto” para tentar acalmar os ânimos.

Os partidários de Danluz cobram que a direção local do PT deveria chamar uma prévia para que os filiados escolham que é o candidato do partido a prefeito. Porém esse modelo de prévia já mostrou, não só ao PT, que ele é um desastre para a unidade interna e para a futura candidatura vencedora das prévias.

Partidos são organismos vivos e dinâmicos que tem, entre seus filiados, a razão de existir. Porém um partido não é um bando de gente. São pessoas que escolheram estar aí e, até que provem o contrário, gostam de discutir política. Então achar que uma decisão desse porte deva ser tomada apenas colocando um voto na urna é rebaixar ao máximo o conceito de política.

O PMDB, por exemplo, tenta evitar o caminho das prévias ao máximo, mas nesse caso, é porque se assim pó fizesse, talvez não conseguisse emplacar a proposta de ser vice de Alceu Barbosa Velho (PDT).

Toda essa indecisão pode dificultar o já difícil caminho que o PT terá que pavimentar rumo às eleições. Tudo indica que o PMDB deve mesmo sabotar a candidatura de Mauro Pereira e apoiar Alceu. Sobraria, portanto, Assis Melo (PCdoB) e um nome do PT para chegar ao segundo turno. Do jeito que ta pode, o PT e o PCdoB disputarem a mesma fatia do eleitorado e nem segundo turno ter.

Isso era tudo que o Sartori queria.

Um comentário:

  1. Daneluz não tem votos eleitores confiaveis para a eleição para prefeito, principalmente porque ele já trocou de partido para se beneficiar das administrações anteriores.

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com