sábado, 30 de junho de 2012

Deu barraco na Parada Livre de Caxias do Sul

Apesar de dizer que o 12 será em numeral romanos a marca
do evento apresenta ele em forma de número

A tentantiva de uso político da Parada Livre de Caxias do Sul já deu o maior barraco. Como noticiamos essa semana, o vereador Rodrigo Beltrão (PT) entrou com um pedido de informações, aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores, solicitando informações sobre os valores repassados, pela prefeitura, ao evento. Ele questiona, também, que a comissão organizadora, que tem como principal integrante Sandro da Silva, que é Cargo de Confiança da Secretaria de Cultura, mudou a edição do evento, que seria a 11ª para a 12ª.

Como justificativa Sandro afirmou que a partir desse ano (curioso) resolveram incluir uma edição que foi realizada, em 2001, na casa noturna que era de sua propriedade, pois temiam que houvesse represálias aos participantes.

Também disparou que não houve apoio da prefeitura, quando resolveram realizar a primeira atividade ao ar livre, em 2002. Porém isso não é bem verdade. Todos os 10 eventos anteriores tiveram grande apoio do poder público para a sua realização. O primeiro inclusive, contou com forte apoio da mídia e aconteceu em uma data emblemática, 30 de junho de 2002, o dia que o Brasil conquistou o Penta Campeonato, que garantiu um público bem maior que o esperado ao evento e tranquilizou as preocupações pois as pessoas estavam em um momento de comemoração.

O apoio do poder público ao evento foi tão grande que ele foi ressaltado pelo Pioneiro. Na edição de 1º de julho, dia seguinte ao evento. O Editorial do jornal diz: "O apoio da administração municipal ao ato, matereilizado por meio da presença do prefeito Gilberto Pepe Vargas e da primeira-dama Ana Corso na Parada Livre, merece ser elogiado".

O colunista da época Renato Henrichs, em sua coluna, segue a mesma linha. "Após o discurso em defesa do respeito a homossexuais, Pepe foi ovacionado pelo público. Até posou para fotografias com a Miss Gay Caxias 2002 e drag queens". Henrichs ainda destacou a presença de todo o staff do gabinete do Prefeito e também a presença do deputado federal Marcos Rolim (PT).

Portanto nos parece falaciosa a ideia de que o evento não teve apoio oficial no seu início. Mas uma coisa Sandro tem razão. Ainda não consta na nossa legislação municipal uma criminalização a homofobia. Isso, inclusive foi prometido por Eloi Frizzo (PSB), na edição de 2007 do evento. O projeto estava para ser votado, mas continua engavetado até hoje.

Fato curioso na presença de políticos no palco da Parada Livre é que Alceu Barbosa Velho, quando více prefeito, comparecia sempre pilchado, todo ano era uma desculpa diferente para o fato (ou tinha vindo de um torneio de laço, ou era a abertura da Semana Farroupilha).

Melhor defesa é o ataque

Os organizadores do ato partiram para o ataque contra o vereador petista. Em nota postada no Facebook, e distribuida a imprensa, a organização, que além de mudar a numeração do evento, resolveu mudar o tema também. Em represália ao pedido de esclarecimento o evento passará a ter o lema: "HOMOFOBIA TEM JEITO: VOTE CONTRA O PRECONCEITO!!!", o que demonstra, ou a falta de bom senso dos organizadores ou a partidarização do evento. 

Apesar de dizer que contam com grande apoio no seu intento (de mudar a numeração e o lema do ato), não é o que parece acontecer, pelo menos no mundo virtual. Na perfil do facebook da Parada Livre, com mais de 600 seguidores, não há nem "curtir", nem "compartilhar" (que demonstram apoio ao que foi publicado) na nota expedida pela organização. No grupo de discussão do evento, também no Facebook, há um único comentário que diz: 

Fala serio ne sandro? Apenas acho que o movimento nao deveria ser usado politicamente! Que eu saiba, depois do dez vem o onze e nao o doze!
Concordo com o Rodrigo Beltrao e digo mais, abaixo a quem gospe no prato
que comeu! Infelizmente o movimento nunca vai alcançar maiores objetivos enquanto estiverem à frente lideranças que só pensam em ganhar vantagens!
Vc vira o coxo mas pode estar comendo no prato errado e nada como um dia
após o outro! Quem disse que o doze é o numero do momento?

Isso resume tudo.

Importante: Os jornais antigos de Caxias do Sul podem ser pesquisados no Portal Centro de Memória da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul. Clique aqui para acessar.

Um comentário:

  1. Pois e ,e o povo e tao bobo e burro que vai fazer a escolha errada..chega ser ridiculo de tao obvio.

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com