sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Câmara mantem veto de Alceu que dificulta aplicação da lei da meia entrada para estudante

Foto: Gabriel Lain
A sessão de ontem da Câmara de Vereadores manteve os vetos parciais ao projeto de lei da vereadora Denise Pessoa (PT) que modificava a lei da meia entrada para estudantes em Caxias do Sul. Os vetos do prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT). Os vetos impedem que estudantes tenham direito a meia entrada nos preços promocionais, que não haja uma limitação no número de ingressos com meia entrada e que a multa, por não cumprimento fique nos valores atuais (entre R$ 230,00 e R$ 460,00).

Os vetos praticamente garantem que não existirá meia entrada em Caxias do Sul pois o produtor cultural pode simplesmente dizer que os ingressos são promocionais ou que já foram vendidos todos os de meia entrada, sendo que não haverá como fiscalizar.

O tema ganhou destaque essa semana quando o DCE/UCS, após ameaçar ir para a justiça contra a Morphine, que produz o show do Barão Vermelho, em Caxias, conseguiu que a empresa vendesse ingressos com meia entrada. O veto de Alceu foi anterior ao dessa semana, mas não quer dizer que ele não o fez por pressão dos grandes produtores culturais de Caxias do Sul acostumados a trazerem megas shows de pagode e sertanejo.

A Morphine, inclusive, é a empresa que contrata os shows da Festa da Uva. Ela ganha grandes comissões pelo ser serviço além dos valores pagos pela produção em sí. A legislação da meia entrada não penaliza, apesar dos empresários do setor dizerem isso, o produtor cultural. As shows de grande porte perdem receita, mas também eles contam com grande público e grandes verbas publicitárias, o que eles perdem, na verdade é lucro. Para os pequenos espetáculos a meia entrada garante público, que muito provavelmente não iria no espetáculo se pagasse o preço normal.

Blocão do Governo rachou mas garantiu a vontade de Alceu

Dessa vez o Blocão do Governo não votou unido. As dissidências se deram pelos vereadores Neri (DEM) e Virgilli Costa (PDT). Coube ao pedetista relembrar o programa histórico do PDT na causa da educação e que cultura e educação andam juntas. Por esse motivo, Virgilli disse que votaria contra os vetos.

Decepção, ou fato já esperado, coube ao vereador Rafael Bueno (PCdoB), que se elegeu com um discurso de juventude, foi do Diretório Acadêmico de História e votou contra a meia entrada para estudante. Uma enorme contradição.

O DCE/UCS esteve presente mas não conseguiu sensibilizar os vereadores que mantiveram os votos por 14 a 7. Abaixo veja como votou cada vereador. Para entender a votação: votar SIM significava ser A FAVOR dos vetos.

ARLINDO BANDEIRA PP Sim

CLAIR DE LIMA GIRARDI PT Não

DANIEL ANTONIO GUERRA PSDB Não

DENISE DA SILVA PESSÔA PT Não

EDI CARLOS PSB Sim

EDSON DA ROSA PMDB Presidente (só vota em caso de empate)

FELIPE GREMELMAIER PMDB Sim

FLÁVIO GUIDO CASSINA PTB Sim

FLÁVIO SOARES DIAS PTB Sim

GUILHERME GUILA SEBBEN PP Sim

GUSTAVO LUIS TOIGO PDT Sim

HENRIQUE SILVA PCdoB Sim

JAISON BARBOSA PDT Sim

JOÃO CARLOS VIRGILI COSTA PDT Não

JÓ ARSE PDT Sim

MAURO PEREIRA PMDB Sim

NERI ANDRADE PEREIRA JUNIOR DEM Não

PEDRO JUSTINO INCERTI PDT Sim

RAFAEL BUENO PCdoB Sim

RAIMUNDO BAMPI PSB Sim

RENATO DE OLIVEIRA NUNES PRB Não

RODRIGO MOREIRA BELTRÃO PT Não

ZORAIDO DA SILVA PTB Sim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com