Projeto de lei de senadores tucanos mudará lei da meia entrada

Está em fase final de votação o Projeto de Lei 4.571/2008 de autoria dos ex-senadores Eduardo Azeredo (PSDB/MG) e Flávio Arns (PSDB/PR), que modifica a medida provisória 2.208/2001 que dispõe sobre o pagamento de meia-entrada para estudantes e idosos, em espetáculos artísticos-culturais e esportivos. A lei já foi aprovada no Senado e por três Comissões na Câmara dos Deputados e agora está na Comissão de Constituição e Jusitça, com parecer favorável. Esse é o último passo antes de ir para sanção, ou não, da presidenta Dilma.

A iniciativa dos senadores tucanos era para limitar a lei. Na proposta inicial havia uma fixação de no máximo 40% dos lugares para quem tem direito a meia-entrada. A proposta inicial ainda assegurou o direito para os maiores de 60 anos (o estatuto do idoso estabelece 65 anos ou mais).

O projeto de lei também garantia às entidades nacionais UNE, UBES e ANPG (Associação Nacional de Pós Graduandos) a exclusividade na emissão da Carteira de Identificação Estudantil (CIE). Essa exclusividade foi abolida pela medida provisória editada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).  No decorrer da discussão foram também agregadas as entidades estaduais, municipais, DCEs e DAs, desde que filiadas às entidades nacionais, o direito a emitir a CIE.

As entidades estudantis deverão manter um cadastro dos portadores da CIE. Ela ainda será padronizada e deverá ter Certificação Digital.

A principal mudança é a que estabelece um limite de 40% do total de ingressos disponíveis. Essa limitação não existia na lei atual. Na Câmara o limite chegou a ser retirado pela Comissão de Direito do Consumidor, porém ela voltou ao projeto quando passou a tramitar pelas outras comissões.

A lei estabelece, ainda, uma série de medidas para que os promotores de eventos não burlem a legislação.

No caso de cinemas a Agência Nacional de Cinema, ANCINE, juntamente com os exibidores deverão criar "instrumento de controle para que o público tenha acesso a informações atualizadas referentes ao quantitativo de ingressos de meia-entrada disponíveis em cada sessão" (Art. 2º)

No caso de eventos deverá ser divulgado o número total de ingressos disponíveis e o número de ingressos disponibilizados com meia-entrada. Ainda deverá ser avisado, em todos os pontos de venda, em local visível e clara, quando eles esgotarem. (§ 1º art 2º).

Os promotores de eventos ainda deverão fazer um relatório de venda de ingressos, relativo a cada evento, ao conhecimento do Poder Público e das entidades estudantis (§ 2º art 2º).

A fiscalização será dos órgãos federais, estaduais e municipais, porém não há a fixação de multas ou penalidades para quem não cumprir a legislação.

A legislação porém deixa a execução da lei mais difícil. Ainda é possível, através de artifícios como o de desconto promocional, diminuir ou até zerar, o número de ingressos por meia-entrada. Essas mudanças na legislação vieram por pressão dos produtores culturais, artístas, salas de cinema, teatro, etc. O que esses "trabalhadores" da cultura não percebem é que estão "matando" o seu público.

As grandes produções teatrais, com artistas globais, ou cinematrográficas americanas, tem público garantido e salas lotadas. Os pequenos produtores parecem que preferem salas vazias ao invés de vender ingressos mais baratos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados