sexta-feira, 31 de maio de 2013

Promessa cumprida: Pedágio de Farroupilha é fechado



Após 15 anos o pedágio da ERS122 entre Caxias e Farroupilha foi finalmente fechado na manhã de hoje. Com a presença do governador Tarso Genro (PT) foi realizado um ato simbólico do fim da cobrança de pedágio. Simbólico, pois a Convias retirou as cancelas de madrugada! Na sexta feira a empresa reclamou que o fim da cobrança, no meio de um “feriadão enforcado” causaria insegurança. Como, ao que parece, o pedido de reconsideração da decisão judicial não deu resultado, a empresa resolveu abandonar a praça de pedágio.

O fim do pedágio de Farroupilha foi promessa de campanha, em 2010, de Tarso Genro. A proposta inicial era fechar a praça em abril, mas uma ação judicial da Convias impediu essa ação.

O polo de Caxias do Sul é composto por quatro praças de pedágio que cercavam a cidade.

BR 116 - entre Caxias do Sul e Campestre da Serra, praça em São Marcos - Devolvida à União
BR 116 - entre Caxias e Nova Petrópolis, praça em Vila Cristina - Devolvida à União
RS 122 - entre Caxias e Antonio Prado, praça em Flores da Cunha - assume EGR
RS 122 - entre Caxias e São Vendelino, praça em Farroupilha - Extinta

Duas delas serão devolvidas à União e, por enquanto, não tem mais cobrança de pedágio. É o caso de São Marcos e Vila Cristina. A única cobrança que continuará será a de Flores da Cunha com os valores reduzidos.

As vozes do conservadorismo


Mesmo que tímidas, vozes conservadoras se levantam contra o fim da cobrança de pedágio. A principal justificativa é que não haverá conservação para as estradas sem o pedágio. Isso se baseia, tão somente, na ideia de que o modelo de privatização do Estado é o modelo correto.

Esse ideólogos de direita não dizem que o Estado foi sucateado pelos governos Britto e Rigotto, ambos do PMDB, e Yeda do PSDB. Se as secretarias de Obras, Daer, Detran, entre outras, não tivessem perdido investimentos ou serem desviados milhões dela (com a turma da Yeda fez com o Detran) a situação geral do estado seria bem melhor.

Há quem tente passar a responsabilidade para outros. É o caso do folclórico vereador Mauro Pereria, que inconformado com o fato do mundo inteiro considerar que o ex governador Antonio Britto, que era de seu partido, ser responsável pela tragédia que foram os pedágios no Rio Grande do Sul, tenta passar a responsabilidade para o ex governador Olívio Dutra. Essa poderia ser mais um exemplo das pérolas do Mauro Pereira.

É bom lembrar:

  • foi o então governador Antonio Britto, DO PMDB, quem assinou estes contratos abusivos de pedágio que roubaram o povo gaúcho durante duas décadas;

  • o governo Yeda, DO PSDB, cujo conselheiro era Antonio Britto, tentou renovar os contratos do mesmo jeito abusivo com o chamado, Duplica RS, e só não conseguiu porque a oposição, minoritária na Assembleia resistiu, entrou na Justiça e ganhou;

  • Britto do PMDB e Yeda do PSDB tinham o apoio total DO PP de Ana Amélia que, aliás, apoiou a tentativa de reeleição de Yeda.

Um comentário:

  1. Qual o adjetivo para essas criaturas que ajudaram a tirar parte da refeição do povo gaucho repassando a administradoras de rodovias?
    A pergunta que não quer calar: Onde foi parar esse dinheiro pois as rodovias permaneceram como estavam ou piores?

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com