sábado, 22 de junho de 2013

Dilma: Estou ouvindo vocês e não vou transigir com violência


Fonte: Brasil 247

"Estamos acompanhando com muita tensão as manifestações que ocorrem pelo país", começou a presidente Dilma Rousseff, ao se dirigir à Nação em cadeia nacional de rádio e televisão, na noite desta sexta-feira. "Se aproveitarmos bem o impulso dessa nova energia política, poderemos fazer melhor e mais rápido muita coisa que o Brasil ainda não coseguiu realizar por causa de limitação política ou econômia", seguiu, destacando que "não podemos conviver com essa violência que envergonha o Brasil" (leia a íntegra do pronunciamento).

"Corremos o risco de colocar muita coisa a perder", disse a presidente, que prometeu conversar nos próximos dias com os chefes dos outros poderes e com governadores e prefeitos para elaborar o Plano Nacional de Mobilidade Urbana, "que privilegia o transporte coletivo". Dilma reforçou ainda sua promessa de reservar 100% dos recurso dos royalties do pré-sal para a educação. Ela também se comprometeu a "trazer, de imediato, milhares de médicos do exterior, para ampliar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS).

Dilma disse ainda que vai receber os "líderes das manifestações pacíficas". "Como presidente da República, tenho obrigação de ouvir a voz das ruas e de dialogcar com todos os segmentos", destacou, acrescentando: "O Brasil lutou muito para se tornar uma país democrático, e também está lutando muito para se tornar um país mais justo". "De forma pacífica e ordeira, o governo e a sociedade não podem aceitar que uma minoria violenta e autoritária ataque patrimônio público e privado", defendeu.

Lutas

A presidente destacou que sua geração "lutou muito para que a voz das ruas fosse ouvida". "Muitos foram perseguidos e torturados para isso. A voz das ruas precisa ser ouvida e respeitada, mas não pode ser confundida com o barulho de arruaceiros", disse. Segundo ela, "a mensagem direta das ruas é pacífica e democrática: combate à corrupção e aos desvios públicos". Precisamos oxigenar nosso sistema político. É a cidadania e não o poder econômico que deve ser ouvida em primeiro lugar", disse.

"Temos de fazer um esforço para que o cidadão tenha mecanismos de controle mais abrangentes sobre os seus representantes. Precisamos muito, mas muito mesmo, de formas mais eficazes de combate à corrupção. A Lei de Acesso à Informação, sancionada no meu governo, deve ser ampliada para todos poderes da república e instâncias federativas", destacou.

Copa

Sobre a disputa da Copa do Mundo, a presidente destacou que o dinheiro investido na construção das arenas é fruto de financiamentos, que serão pagos pelos proprietários ou pelas empresas que vão operar os estádios. Ela ainda pediu que os atletas e turistas que estão no país para Copa das Confederações sejam bem recebidos, assim como os jogadores brasileiros foram quando disputaram competições em outros países.

"Jamais permitiria que esses recursos saíssem do orçamento público federal, prejudicando setores prioritários como a Saúde e a Educação. Na realidade, nós ampliamos bastante os gastos com Saúde e Educação. E vamos ampliar cada vez mais. Confio que o Congresso nacional aprovará o projeto que apresentei para que todos os royalties do petróleo sejam gastos exclusivamente com a Educação", reforçou.

Gravação

A presidente Dilma Rousseff gravou a mensagem no fim da tarde desta sexta-feira. O Palácio do Planalto confirmou às 19h que a presidente iria ocupar a rede nacional de rádio e tevê às 21h. Ela falará por 10 minutos. A gravação do pronunciamento foi dirigida pelo marqueteiro João Santana, e também contou com a participação do ex-ministro da Comunicação Social Franklin Martins. Nesta noite, a presidente ainda se reúne com o vice-presidente Michel Temer, o senador e ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN).

Dilma tomou a decisão de falar à Nação nesta manhã. Reunida com seu núcleo duro, em Brasília, que inclui os ministros José Eduardo Cardozo, da Justiça, e Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, ela decidiu que iria se pronunciar, com veemência, em defesa da democracia, mas também da ordem, rechaçando de forma contundente todos os atos de violência.

Reprovação

Dilma, que acompanhou tudo pela televisão ontem à noite, ficou especialmente assustada com o vandalismo em Brasília, onde o Palácio do Itamaraty, obra-prima da arquitetura mundial, foi atacado, e no Rio de Janeiro, onde houve tentativa de invasão à prefeitura e um repórter da GloboNews, Pedro Vedova, foi atingido com uma bala de borracha na testa.

Pesquisa Datafolha publicada nesta sexta-feira mostra que 55% dos paulistanos consideram "ruim" ou "péssima" a reação da presidente Dilma diante dos protestos que aconteceram em várias capitais brasileiras. Uma pequena parcela de 15% avalia a atuação como "ótima" ou "boa", e 27% a consideram "regular". Na pesquisa anterior, feita no dia 18, a parcela dos que reprovavam a atuação de Dilma era de 49%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com