segunda-feira, 29 de julho de 2013

Paralisação dos médicos nesta terça e quarta: direito de espernear




Nestas terça e quarta (30 e 31) o Brasil vai enfrentar mais uma paralisação dos médicos. No Rio Grande do Sul, a paralisação acontece nos dois dias, em outros estados apenas na quarta. É o que se chama no direito de jus sperniandi (direito de espernear). Os médicos estão no seu direito de reclamar e manter aquilo que mais presam em sua profissão: o corporativismo e a reserva de mercado. Afinal, no Estado democrático de direito, todos podem e devem ter voz e lutar por aquilo que acham correto.

Porém, quem mais sofre com as paralisações, infelizmente, é a população. Mas, para quem enfrenta o dia a dia do SUS, uma paralisação a mais ou a menos, não faz grandes diferenças. O povo já está “acostumado” a longas filas, longos períodos de espera, ao mal atendimento.

No site do Conselho Federal de Medicina consta: “O Brasil vai às ruas contra a medida”. Eles se referem ao Programa Mais Médicos do Governo Federal. O Programa divulgado pelo governo tenta atender uma das principais mazelas brasileira: a saúde. Assim, como medidas para a solução do problema está a criação de mais vagas na graduação e residência médica, a importação de médicos estrangeiros para atendimento no interior do Brasil, onde médico nenhum quer trabalhar e a atuação no SUS desses profissionais por dois anos após sua formatura em universidade pública. O Governo apresentou aquilo que a população anseia há muito tempo.

Então, não adianta os médicos quererem convencer que essas medidas vão prejudicar a população ou a sua sagrada profissão, porque o povo está saturado. CHEGA!

Um comentário:

  1. Essa mafia branca tem é medo dos médicos estrangeiros mostrarem que são melhor que eles porque eles se importam é com dinheiro não se preocupam nem um pouco com a população

    ResponderExcluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com