sábado, 14 de setembro de 2013

A água desperdiçada pela incompetência

Em Caxias, quase 50% da água tratada e distribuída se perde em encanamentos velhos, quebrados, ligações desgastadas, ligações clandestinas... Então surge tal questionamento: "em nove anos de Governo Sartori/Alceu" não foi possível traçar um planejamento estratégico para perdas de água em Caxias do Sul? Poderiam se evitar gastos tão exorbitantes com a Barragem Marrecas, sem contar todo o impacto ambiental que vamos ter com os anos, que não sabemos ainda qual será.

Um governo que se diz preocupado com as questões ambientais e que quer investir em tecnologias e saneamento não poderia ter deixado de lado uma questão tão relevante.

No Governo Pepe Vargas iniciou-se um processo de instalação de com macromedidores (medidores ligados na adutora de água tratada que verificam a variação de volume na rede, facilitando a percepção de onde está o vazamento). Porém, o projeto parou e as perdas de água tratada só aumentaram, pois o controle de perdas foi abandonado. E por que o projeto foi abandonado?

Segundo dados de estudo feito pelo Instituto Trata Brasil, Caxias do Sul possui índice de perdas na distribuição da água em torno de 47,4%, o que ocasiona perdas no faturamento de 48,3%. Caxias está acima da média de perdas de faturamento do Brasil, que é de 37,57%, mas dentro da média de perdas do Rio Grande do Sul, que tem as maiores tarifas de água do Brasil, aliás.

Este é um problema crônico que atinge todo o país e precisa urgentemente receber estratégias de atuação para que se estanque um prejuízo tão burro. As perdas de água dificultam o avanço do saneamento básico e agravam o risco de escassez hídrica no Brasil. E Caxias vai aceitar ficar acima da média brasileira de perdas? Quantos milhões de metros cúbicos do Marrecas serão perdidos?

Há bairros na cidade em que falta de água é recorrente, quase que diária. É o caso do Bairro Fátima Alta. Lá falta água dia sim outro também porque os moradores do Fátima Baixo gastam a água antes que ela chegue no bairro logo acima. Isso mesmo. Não há água suficiente para abastecer o bairro. Se 50% da água não fosse perdida, certamente a falta de água no Fátima Alta não seria tão frequente!

Veja os principais resultados da pesquisa: (clique aqui)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com