quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Ataque aos direitos do Magistério pelo Governo Alceu

A falta de professores na rede municipal de ensino vem se agravando nos últimos anos. Mais professores se aposentam do que são nomeados e a demanda só aumenta.

A população não sente esta falta porque os professores da rede cumprem horas extras. Boa parte faz 80 horas extras por mês, trabalhando um turno a mais do que a sua nomeação.

A hora-extra sai caro para o município que, ao invés de resolver o problema nomeando novos servidores, achou uma solução mais barata, às custas do salário do magistério.

O Executivo enviou ontem à Câmara de Vereadores Projeto de Lei que institui a Ampliação da Jornada de Trabalho, que propõe a remuneração da hora-extra em 30% a mais do valor-hora do padrão salarial G4. Hoje a hora-extra, para todos os funcionários e para todos os trabalhadores do Brasil é remunerada com 50% a mais que o valor-hora normal. É um mandamento constitucional.

Como exemplo, um professor  no final de carreira (25 anos de trabalho) terá uma perda salarial de, no mínimo, R$ 1.600,00. Um verdadeiro absurdo, pois são sempre os professores os prejudicados. Trabalhadores e trabalhadoras que tem remuneração inferior a todos os outros trabalhadores de nível superior, que batalham e enfrentam a dura realidade das escolas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com