Moradores do Campos da Serra protestam por saúde e transporte público

Um grupo de cerca de 300 moradores realizou um protesto na manhã de sábado no loteamento Campos da Serra. A manifestação cobrava o funcionamento da Unidade Básica de Saúde que está pronta há quatro meses. Além disso os moradores reclamavam do transporte público que é precário no bairro. 

Os dois problemas, saúde e transporte, tem sido uma constante em Caxias do Sul. Além da falta de médicos nas Unidades Básicas de Saúde, e quando eles existem o número de consultas é limitado, há a falta de profissionais, também, no Pronto Atendimento (Postão 24 horas). A falta de médicos vem se agravando ano após ano e pouco tem sido feito pelo poder público municipal.

Em 2013 a secretária, Dilma Tessari (PDT), chegou a negar 5 profissionais estrangeiros, do programa Mais Médicos, alegando que não havia falta de profissionais. Eles só ficaram na cidade por que o Ministério da Saúde insistiu (veja aqui). Além desses profissionais a cidade recebeu, recentemente, mais quatro médicos do programa, e a falta de profissionais ainda continua.

No caso da UBS do Campos da Serra o problema é também o atraso na licitação do mobiliário. A secretária de saúde argumento que não há prazo para que a licitação seja concluída. Enquanto isso a UBS vai abrir de maneira improvisada.

Transporte Público

Outra demanda que tem tirado o sono dos caxienses que precisam de ônibus. É visível que a qualidade do serviço da Visate vem piorando. Seja pela elevação da idade média da frota (o que resulta em ônibus mais velhos e que quebram mais), seja pela rotatividade de profissionais, atrasos e lotação.

Odacir, leitor do Polenta News, relatou em nossa página o que ele sente no dia a dia:
"Nos últimos dias estou presenciando diariamente discussões entre funcionários da Visate e usuários, a meu ver isso está se agravando por vários problemas de ônibus atrasado, queimas de voltas (nesse caso gera dois problemas a medida que adiantam a volta seguinte). Associando tudo isso ao despreparo dos funcionários (não estou generalizando), a falta de entendimento que os usuários têm de que deviam reclamar diretamente a empresa, e o mais grave a posição da empresa e também da prefeitura que chegou ao desplante de o secretário Zulmir Baroni Filho dizer que não há atrasos e nem superlotação."
Queixa semelhante foi feita por uma liderança comunitária do bairro Vergueiros. Ela relatou que em um único dia quebraram 3 ônibus. "Estragar um por semana até era normal mas três no mesmo dia nunca havia acontecido", inconforma-se.

Essa situação contrapõem-se aos planos do prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) de incentivar o transporte coletivo. Um de R$ 59 milhões, via PAC Mobilidade Urbana, do Governo Federal, será utilizado para reestruturação dos corredores de ônibus, na área central, e para a finalização das estações de transbordo, que possibilitarão a integração tarifária.Caxias é uma das cinco cidades do Rio Grande do Sul que receberá esses recursos. Dinheiro não faltará, mas se as partes não se ajudarem vai ficar como mero discurso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados