quinta-feira, 24 de abril de 2014

Vazamentos na barragem do Marrecas continuam

Para quem gosta de  tocar flauta na obras de recuperação de estradas deve estar em êxtase com a situação da barragem do Marrecas. Só que não!

Aparte das críticas seletivas. Ao que tudo indica há problemas, sim, na construção da barragem. Embora os laudos apresentados pelas empresas Holanda Engenharia e STE Serviços Técnicos de Engenharia, responsáveis pela construção e fiscalização da obra, respectivamente, mostrem que a situação de vazamentos é normal e não está aumentando (25 litros por segundo nas obreiras e de 10 a 15 litros por segundo nas paredes laterais), uma solução definitiva começará a ser discutida somente na próxima semana.

Uma reportagem da Rádio Gaúcha, publicada ontem, traz a afirmação do diretor presidente do Samae, Eloi Frizzo (PSB), de que os laudos foram entregues no começo do mês, porém uma reunião entre as partes só acontecerá na próxima semana. Passará quase um mês entre a entrega dos laudos e uma reunião para quem sabe, talvez, o problema comece a ser resolvido. Enquanto isso a água corre só que no sentido contrário ao da casa das pessoas.

Parece que a reunião da "semana que vem" só foi marcada porque a jornalista da Rádio Gaúcha perguntou como estava a situação.

Frizzo porém não considera a situação dentro da normalidade. "Os argumentos com relação às ombreiras vão desde a questão de que a rocha era fraturada e que a previsão inicial de injeção de nata de cimento foi subdimensionada. A questão dos vazamentos nas paredes, eles colocam como normal, mas que pode ser corrigido. Da nossa parte, a gente não considera normal e quer que seja corrigido", disse o diretor presidente.

Entre o discurso e a prática está faltando ação. Os vazamentos continuam e não podem ficar assim indefinidamente. Já passaram 488 dias da inauguração da barragem e até agora a água não chegou para nenhuma residência. Os testes das bombas começaram e pararam por problemas técnicos. Ninguém mais ousa colocar um prazo para o funcionamento da barragem.

A chantagem feita pelo racionamento, que vitimou milhares de araucárias que acabaram apodrecendo e a madeira nem foi aproveitada, acabou virando exatamente isso, CHANTAGEM.

3 comentários:

  1. Tenho Respostas, Fui Fiscal na Obra e agora me sinto envergonhado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assassinato a Engenharia Civil, tudo como não se deve executar a construção de uma barragem foi feito ai no Marrecas, quando vi que era demais os erros de execução, deram um jeito de me deletar da obra, ai estão os resultados.
      Isso ainda é pouco, quando estancarem essas fendas, mais deverão aparecer.

      Excluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com