quarta-feira, 23 de julho de 2014

Valorização do funcionalismo estadual: recuperação de anos de abandono

Os servidores estaduais do Rio Grande do Sul há muito tempo não viam tantos avanços em suas carreiras. Apesar das dificuldades financeiras por que passa o Estado, o Governador Tarso Genro valorizou muito seus servidores. Foram reajustes salariais significativos, criação e reestruturação de planos de carreiras que estavam defasados há décadas.

Veja as principais conquistas do funcionalismo estadual:

  • Criação e reestruturação de 32 planos de carreiras (entre eles, Detran, FASE, PGE, Uergs, Sefaz...);
  • Reajustes acima da inflação para diversas categorias (ex: 40% para Detran, 81,19% para Técnicos Científicos, 20% para o Daer, 27% para Saúde)
  • Valorização dos servidores da Segurança Pública: reajuste de 103,60% para a Polícia Civil; 78,50% para a Brigada Militar; 139,50% para a Susepe e 73,90% para o IGP;
  • Reajuste de 76,68% para o Magistério, o que representa 50% de ganho real. O salário médio dos professores estaduais passará de R$ 2.767,00 para R$ 4.885,00;
  • Nomeação de 21 mil novos servidores;
  • 16 novos concursos públicos no ano de 2013;
  • Aposentadoria especial para servidores da Polícia Civil, Susepe e IGP (os trabalhadores da área da segurança poderão se aposentar com 30 anos de serviço, desde que 20 deles no exercício do cargo);
  • Atendimento de diversas reivindicações de várias áreas do funcionalismo, com a criação de gratificações, abonos e incentivos.

Tarso cumpriu o dever de casa, atendendo a diversas reivindicações históricas de servidores já desesperançosos com suas carreiras. Por exemplo, para o Magistério Estadual, o último reajuste significativo foi no Governo Olívio Dutra, quando os professores receberam 82,11%, sendo 38,77% de ganho real).

São os servidores que fazem os serviços públicos funcionarem. Funcionário valorizado é sinônimo de serviço bem prestado.

2 comentários:

  1. Sou diretor do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do RS, filiado ao PT, e pergunto: 1. o Executivo não precisa mais pagar COMPLETIVO ao Quadro Geral para atingir o Salário Mínimo NACIONAL (SM Regional, nem pensar ...) ?? 2. O Plano de Carreiras da PGE/RS é um horror: de 3 a 5 Assessores Jurídicos abandonam a carreira por ofertas muito melhores em outros órgãos 3. Por que os servidores do quadro auxiliar da PGE/RS continuam com perdas inflacionárias acumuladas em torno de 40% enquanto os Procuradores estão com a inflação zerada ?? Discriminação ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obviamente que o movimento sindical vai sempre querer mais, isso faz parte da relação dentro do nosso sistema econômico. Porém o objetivo de nossa postagem foi mostrar, justamente o que ninguém publica: Que o funcionalismo público recebeu reajustes salariais expressivos e recuperação de seus direitos históricos. Durante o processo eleitoral o funcionalismo público é considerado como despesa por muitos candidatos. Nós defendemos que não existem garantias de direitos sem servidores públicos, de preferência bem remunerados.

      Excluir

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com