quarta-feira, 15 de abril de 2015

Movimento sindical vai às ruas contra PL da Terceirização

Foto: Guilherme Santos/Sul21
Diferente do último domingo onde houve um protesto que não tinha nenhuma pauta que beneficiasse o pais, os trabalhadores foram às ruas hoje (15) protestar contra o Projeto de Lei 4330 que cria regras para a terceirização no país.

O projeto de autoria do ex-deputado Sandro Mabel (PMDB/GO) teve o texto principal aprovado no dia 7 de abril. Para garantir que o projeto não precarizase, ainda mais, os direitos dos trabalhadores.

Os atos aconteceram em 24 estados e reuniram milhares de pessoas. O impacto foi muito maior do que o número de pessoas nas passeatas pois houveram paralisações de serviços públicos como transporte público e escolas e privados como empresas, bancos e comércio.

Em Porto Alegre os trabalhadores da Carris e o Trensurb cruzaram os braços. Isso fez com que muita gente optasse por não ir, ou chegar atrasado ao trabalho. Entretanto outras empresas acabaram suprindo as linhas paralisadas.

Entre os bancos, o Banrisul, Santander, HSBC e Itaú tiveram paralisação total ou parcial. Entre as escolas estaduais as maiores, com exceção do Instituto de Educação, paralisaram as atividades. O mesmo se repetiu em várias escolas pelo interior do estado como o Apolinário de Caxias do Sul.

Falando em Caxias, o Sindicato dos Metalúrgicos, realizou paralisações em 10 empresas. Na manhã um ato reunindo metalúrgicos, bancários e comerciários protestaram pelas ruas do centro da cidade.

O PL das Terceirizações estabelece que as empresas podem contratar trabalhadores terceirizados para qualquer setor da empresa. Hoje somente podem ser terceirizados os serviços meios como limpeza e portaria, por exemplo. Se o projeto ficar do jeito que está as lojas poderão terceirizar balconistas e os bancos os caixas, por exemplo.

Segundo dados do Dieese um trabalhador terceirizado recebe, em média, 27,1% a menos do que um trabalhador não terceirizado. Outro dado da Associação dos Magistrados do Direito do Trabalho aponta que de cada 10 acidentes de trabalho 8 acontecem com terceirizados e de cada 5 acidentes fatais 4 são de trabalhadores terceirizados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com