Preso após elogio em voto por impeachment, prefeito do PSB é afastado

Preso há mais de 20 dias, o prefeito de Montes Claros (MG), Ruy Muniz (PSB), foi afastado do cargo nesta terça-feira (10) pela Câmara Municipal. A decisão vale por 60 dias.

A prisão foi cumprida pela Polícia Federal em 18 de abril, um dia depois de sua mulher, a deputada Raquel Muniz (PSB), afirmar que o marido "mostra que o Brasil tem jeito" ao votar pelo impeachment da presidenta Dilma.

Mesmo no presídio regional de Montes Claros, Muniz despachou de dentro da prisão com nomeações e exonerações publicadas no "Diário Oficial" do município.

De acordo com as investigações da PF, Muniz é suspeito de inviabilizar a existência e o funcionamento de hospitais públicos e filantrópicos que atendem pelo SUS ao deixar de prestar serviços pela rede municipal.

Tanto o prefeito, como a secretária de Saúde, Ana Paulo Nascimento, foram investigados pela operação "Máscara da Sanidade II - Sabotadores da Saúde". Ambos foram denunciados por falsidade ideológica, dispensa indevida de licitação, estelionato, prevaricação e peculato.

No dia da votação do impeachment, a deputada Raquel Muniz disse em seu voto a favor da abertura de processo que tomava aquela decisão "para dizer que o Brasil tem jeito" e que "o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós em sua gestão".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados