Preso após elogio em voto por impeachment, prefeito do PSB é afastado

Preso há mais de 20 dias, o prefeito de Montes Claros (MG), Ruy Muniz (PSB), foi afastado do cargo nesta terça-feira (10) pela Câmara Municipal. A decisão vale por 60 dias.

A prisão foi cumprida pela Polícia Federal em 18 de abril, um dia depois de sua mulher, a deputada Raquel Muniz (PSB), afirmar que o marido "mostra que o Brasil tem jeito" ao votar pelo impeachment da presidenta Dilma.

Mesmo no presídio regional de Montes Claros, Muniz despachou de dentro da prisão com nomeações e exonerações publicadas no "Diário Oficial" do município.

De acordo com as investigações da PF, Muniz é suspeito de inviabilizar a existência e o funcionamento de hospitais públicos e filantrópicos que atendem pelo SUS ao deixar de prestar serviços pela rede municipal.

Tanto o prefeito, como a secretária de Saúde, Ana Paulo Nascimento, foram investigados pela operação "Máscara da Sanidade II - Sabotadores da Saúde". Ambos foram denunciados por falsidade ideológica, dispensa indevida de licitação, estelionato, prevaricação e peculato.

No dia da votação do impeachment, a deputada Raquel Muniz disse em seu voto a favor da abertura de processo que tomava aquela decisão "para dizer que o Brasil tem jeito" e que "o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós em sua gestão".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados

Ana Amélia deixou de declarar, ao TSE, fazenda avaliada em mais de R$ 4 milhões