sábado, 5 de janeiro de 2013

Genoino não é o único com problemas na justiça

Dos 15 parlamentares que tomaram posse nessa quinta-feira 3 na Câmara dos Deputados, quatro respondem a ação na Justiça; tem até parlamentar envolvido em processo de homicídio [Francisco Tenório, PMN-AL]; para Urzenir Rocha (PSDB-RR), acusado de trabalho análogo à escravidão, "ser acusado é uma coisa, ser condenado é outra"

Juliane Sacerdote _Brasília 247 – "Você ser acusado é uma coisa, ser condenado é outra". Essa é a resposta do novo deputado federal Urzeni Rocha (PSDB–RR), empossado nessa quinta-feira 3 na Câmara Federal, ao ser questionado sobre o processo que responde na justiça por exploração de trabalho análogo à escravidão.

"Vivemos em um mundo de pluralidade. Não estou constrangido, muito pelo contrário. Você ser acusado é uma coisa, ser condenado é outra. A justiça vai dizer", respondeu ao Brasil 247.

O parlamentar assumiu o mandato no lugar de Teresa Surita (PMDB-RR), que renunciou ao cargo para exercer o mandato de prefeita de Boa Vista. Mesmo sendo um dos poucos representantes da oposição na lista de deputados que assumiram os mandatos, Urzeni Rocha preferiu não fazer críticas ao colega José Genoino, deputado empossado mesmo com a condenação de 6 anos e 11 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal.

"Não há impedimento legal na posse dele [Genoino]. Eu, por exemplo, vim como representante do povo que me elegeu", destacou. Mas, segundo o tucano, a oposição "perdeu uma oportunidade" de se posicionar publicamente sobre a posse do petista.

Mais processos

O delegado Francisco Tenório (PMN-AL) também responde a processo na justiça por homicídio. Ele assumiu de forma definitiva o mandato no lugar de Célia Rocha, que tomou posse como prefeita de Arapiraca. O parlamentar não foi localizado pela reportagem para comentar o assunto. Outro que responde por processos de trabalho análogo à escravidão é Camilo Costa (PMDB-ES), que também não foi encontrado pelo Brasil 247.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com