Problemas no Sine não é falta de dinheiro é falta de gestão

O problema da fila do Sine, requentado pela imprensa agora, é resultado da falta de investimento e de má gestão que comprometeram o serviço. Esse tema já abordamos, sem sensacionalismo, em agosto do ano passado (leia aqui). Antes de tudo é preciso saber quem financia o serviço. O Sine, Sistema Nacional de Emprego, é administrado estadualmente. No Rio Grande do Sul isso fica a cargo da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social, que é presidido por José Heitor de Souza Gularte (PTB). Localmente Antonio Pescador (PTB) é o coordenador. O sistema Sine recebe recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador, FAT, que é repassado para as agências. O dinheiro não é pequeno. O orçamento total da FGTAS foi de R$ 39 milhões em 2012.

O problema então é má gestão. Na verdade é um misto entre acomodação e pouco caso com o trabalhador. O coordenador local era coordenador desde o governo Yeda (PSDB), foi durante o governo passado que o Sine fechou a agência de São Pelegrino. Somente o proselitísmo político justifica a manutenção no cargo alguém que era de um governo que foi rejeitado pelas urnas.

O vereador Mauro Pereira (PMDB), outro que adora dar bravatas quando lembra que foi coordenador do Sine, não deveria se orgulhar tanto. Quando ela foi coordenador, durante o governo Britto (PMDB) a agência local funcionava numa sala alugada, foi despejada por falta de pagamento e, por muito pouco o Britto não acabou com a FGTAS o que encerraria toda a prestação de serviços. Do desgoverno Britto e da gestão de Mauro Pereira no Sine não há saudades só a lembrança de um serviço que quase foi extinto.

O Sine só ganhou alguma importância durante o governo Olívio, quando foi inaugurada a sede atual, em prédio próprio do governo do Estado (não necessitando pagar aluguel), inaugurou a segunda agência, dobrou o número de servidores do quadro e informatizou o sistema.

Pelos dados apresentados na edição do Pioneiro, de hoje, percebemos que a grande demanda da agência, na verdade é para confecção de carteira de trabalho. Esse é um quadro bem diferente de alguns anos atrás, pois vivemos uma realidade de pleno emprego. A solução para o Sine não é esconder a fila, como querem o vereador Mauro Pereira, é um ação de gestão que faça reorganizar os serviços para as novas necessidades da população.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados