TCE determina revisão do cálculo para aumento da passagem em Porto Alegre

Com informações de Sul 21

O Tribunal de Contas do Estado emitiu uma cautelar determinando que a EPTC, empresa pública responsável por gerenciar o trânsito em Porto Alegre, revise a forma de cálculo que vinha usando para a determinação do valor da tarifa de ônibus e táxi lotação na capital.

O TCE acatou uma orientação do Ministério Público de Contas, MPC, que observou que a empresa não pode considerar a frota total de veículos para reajustar a passagem. Pela determinação a EPTC terá que considerar apenas a frota de ônibus que está em operação nas ruas para calcular o aumento em 2013. Ainda há a determinação de que a empresa pública considere os efeitos da desoneração tributária imposta pela Lei Federal 12.715/2012. A norma inclui as empresas de transporte coletivo de passageiros dentre as beneficiadas com a redução da alíquota das contribuições previdenciárias sobre a folha de pagamento dos funcionários.

“Esta decisão visa não somente evitar o prejuízo para a população usuária do transporte coletivo urbano, mas também garantir cômputo da desoneração tributária instituída em Lei”, disse Iradir Pietroski, conselheiro que foi o relator do processo.

A EPTC ao fazer o cálculo da tarifa incluia os veículos reservas como se estivessem circulando. Isso fazia com que fosse diminuída, artificialmente, a eficiência do sistema. Pelos cálculos a tarifa de ônibus cairia de de R$ 2,85 para R$ 2,60 na capital. “as empresas estão operando com uma lucratividade em sua grande maioria superior ao previsto pela planilha tarifária”, aponta o relatório do TCE.

Caxias do Sul tem uma realidade diferente, é claro, mas isso nos fez pensar se a situação não pode ser semelhante. A planilha de cálculo é obscura e ninguém consegue analisar ela com o devido cuidado. Um dos pontos apontados pelo TCE, porém, é objetivo. Há uma desoneração de impostos. Essa desoneração foi repassada ao usuário? Essa era uma das choradeiras comuns da Visate em todo o reajuste de passagem.

A Visate também conta com frota reserva. Essa frota reserva, no momento que não está na rua, entra no cálculo do valor da passagem?

É necessário que o movimento social de Caxias do Sul provoque o TCE para analisar se em Caxias situação semelhante acontece. Na pior das hipóteses fica como está.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados