sexta-feira, 14 de março de 2014

Vereador pede cabeça de assessora de imprensa por dizer que Deus não existe

Assessora de Imprensa sofre perseguição em Antonio Prado
Já pensou pedirem a sua cabeça no emprego por afirmar que Deus não existe?

Não, isso não aconteceu em um tribunal da Santa Inquisição séculos atrás, mas na tribuna da Câmara dos Vereadores de Antônio Prado. Talvez por não ter capacidade de formular um assunto melhor, o  vereador Alex Dotti (PMDB) solicitou a exoneração da assessora de imprensa da Câmara, Renata Ghiggi, por ela não acreditar em Deus e divulgar isso aos “quatro ventos”. O que, como sabemos, é uma heresia.

“Eu peço a exoneração da Assessora de Imprensa e a troca urgente, por que a Câmara de Vereadores e a cidade de Antônio Prado é uma cidade de fé. É isso que eu penso e eu acredito que quem não acredita em Deus, pode não acreditar, mas não deve divulgar, representando uma entidade como a Câmara de Vereadores”, afirmou Alex, na sessão de 4 de fevereiro deste ano.

“Eu sou ateia e nunca escondi isso de ninguém.” Renata nega que utilize o cargo para defender suas posições pessoais. “Não uso a minha função para isso. Mas tenho o cuidado de não privilegiar nenhuma religião em detrimento de outras. Brigo pela laicidade do Estado.” No ano passado, ela se envolveu em uma discussão sobre a presença de um crucifixo no plenário, que foi retirado e recolocado logo depois.

Em seu discurso na tribuna da Câmara, o vereador Alex Dotti afirmou que “chamou a atenção a falta de fé da nossa Assessora de Imprensa, que faz questão de colocar nas redes sociais e falar aos quatros ventos, que Deus não existe”.

Considera que “não pega bem”, em uma cidade em que a maioria tem uma religião e acredita em Deus, alguém “pronunciar-se contra Deus”.

O caso teria começado no início do ano. “Questionei, no meu perfil particular do Facebook, um apresentador de TV que havia dito que um menino havia sido salvo por Deus”, explica Renata. “Houve uma discussão bem legal entre amigos católicos e ateus, de alto nível, no meu perfil.” O vereador teria entrado no debate e faltado com respeito, sendo criticado por isso.” Pouco tempo depois, na primeira sessão plenária, pediu a cabeça da assessora.

A Associação de Ateus e Agnósticos (Atea) encaminhou uma representação ao Ministério Público do Rio Grande do Sul. Segundo a instituição, houve crime de discriminação religiosa.

“Em que pese exista a imunidade do parlamentar no exercício das funções, entendemos que a prática dos crimes de racismo/discriminação previstos na Lei 7.716/89 não estão protegidos pela imunidade, pois não há qualquer conexão com a prática desses crimes com o nobre exercício da atividade parlamentar”, diz a representação.

O presidente da Câmara de Vereadores, Valdicir Vialli (PTB), afirma que não irá exonerar Renata, "Nunca foi cogitada a exoneração dela. Seria uma consolidação do preconceito. Quem tem o poder de fazer demissão é o presidente e a Mesa Diretora, e a gente repudia qualquer tipo de preconceito", afirmou.

A propósito: Não há nenhum projeto de lei protocolado na Câmara de Vereadores de Antonio Prado em 2014. Deve ser falto do que fazer mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos responsáveis, mesmo que indiretamente, pelo conteúdo dos comentários. Portanto textos que contenham ofensas, palavrões ou acusações (sem o fornecimento de provas) serão removidos. Se quiser falar algo que necessite de anonimato use o email polentanews@gmail.com