Oposição quer investigar fraude em CPI que boicotou


Fonte: Brasil 247

O presidente da CPI da Petrobras do Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB), pediu nesta terça-feira 5 uma investigação à Polícia Federal sobre a suspeita de que representantes da Petrobras receberam com antecedência o "gabarito" com perguntas que seriam feitas na comissão de inquérito. "Eu entreguei ofício para o diretor-geral da Polícia Federal pedindo providências. Precisamos saber se a prova (um vídeo que teria sido mostrado à revista Veja) envolve pessoas do Senado. A PF vai analisar o caso", afirmou Vital.

Em abril e maio, em meio a um impasse sobre a criação de duas CPIs da Petrobras no Congresso, os parlamentares da oposição se recusaram a indicar representantes para as três vagas reservadas ao DEM e ao PSDB na comissão formada para investigar a estatal no Senado. Diante do boicote, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), indicou os últimos nomes que faltavam, membros da oposição, para compor o colegiado, e no dia 14 de maio a CPI foi instalada na Casa.

"Queremos a CPI mista. Não vamos gastar energia com a CPI no Senado", anunciou o líder do DEM, José Agripino (RN), à época. O líder do PSDB, Aloysio Nunes (SP), disse que a recusa em indicar seus três representantes foi uma decisão política. A oposição defendia uma CPI mista, com deputados e senadores, que a seu ver poderia fazer uma investigação mais séria e objetiva.

Nesta segunda-feira 4, em resposta a denúncia da revista Veja de que os depoentes da CPI tiveram acesso prévio ao relatório de perguntas que seriam feitas na sessão, e que alguns deles receberam 'media training', o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) viu crimes e propôs ações contra oito petistas. O tucano, assim como o candidato à Presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves, afirma que houve uma "farsa" na conduta da investigação do Congresso.

As sessões, no entanto, tinham espaço para que a oposição fizesse perguntas e investigasse a fundo o processo de compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras, além de outros temas relacionados à empresa. Na sessão em que o ex-diretor da estatal Nestor Cerveró prestou depoimento, em 22 de maio, a sessão estava quase totalmente vazia. O mesmo aconteceu com outros depoentes, em sessões posteriores.

Em resposta à denúncia, a Petrobras afirmou que a empresa preparou, sim, executivos e ex-executivos para seus depoimentos na comissão. "Assim como toda grande corporação, a Petrobras garante apoio a seus executivos, e e

x-executivos, preparando-os, quando necessário, com simulações de perguntas e respostas, para melhor atender aos diferentes públicos, seja em eventos técnicos, audiências públicas, entrevistas com a imprensa, e, no caso em questão, as CPI e CPMI", disse em nota (leia aqui).

Minimizando a reportagem, o colunista Janio de Freitas disse em artigo nesta terça-feira 5 que "perguntas de aliados do depoente, em CPI, jamais, em qualquer lugar e em qualquer país, fugiram a este princípio: destinam-se a ajudar o depoente". No sábado, o blogueiro Miguel do Rosário, do Cafezinho, afirma que "se a oposição tem espaço garantido na CPI, mesmo minoritário, então ela que faça as perguntas que quiser fazer".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mauro Pereira, fiel escudeiro de Eduardo Cunha na Câmara de Deputados

É um absurdo: Lasier Martins arranjou emprego para a namorada na Assembleia Legislativa

TV Caxias terá bens leiloados